Destaques

EDP investe em baterias de lítio para baixar fatura da energia

Por falta de regulação no país, a empresa não vai investir no armazenamento de energia renovável em Portugal a curto prazo.

A EDP Renováveis está a investir no armazenamento de eletricidade proveniente de energia eólica e solar em baterias de lítio e o primeiro projeto está já operacional em Cobadin, na Roménia, a mais de 4000 quilómetros de Portugal. A empresa fala numa terceira revolução no setor das renováveis e garante que a aposta em novos projetos que incluam o armazenamento da energia produzida em excesso e que não possa ser injetada na rede tem benefícios para todos, incluindo os consumidores. Em última análise, poderá mesmo fazer baixar a fatura da energia.

“É uma solução que baixa os custos não só da produção, mas também do transporte e distribuição de energia elétrica e que terá impacto no futuro em todos os players do mercado. É do interesse de todos porque são soluções inovadoras que poupam dinheiro ao sistema elétrico como um todo”, garantiu Duarte Bello, administrador da EDP Renováveis, em declarações à margem da inauguração do Stocare Project, que teve lugar na quarta-feira na região romena de Constança, junto ao Mar Negro.

A empresa não divulga o investimento neste projeto-piloto, mas o valor integra os mais de 500 milhões de euros que a EDP Renováveis já investiu desde 2008 na Roménia, país onde tem 521 MW de potência renovável instalada, entre parques eólicos e solares. O grupo EDP tem previsto um investimento de 7 mil milhões de euros no prazo de cinco anos (1,4 mil milhões por ano). Deste valor, 45% será destinado às energias renováveis nos mercados em que já opera (Bélgica, Brasil, Canadá, França, Itália, México, Polónia, Portugal, Roménia, Espanha, Reino Unido e Estados Unidos) e em novos mercados, como a Grécia, por exemplo.

Para já, reconhece o administrador, as vantagens das baterias de lítio são sobretudo para a empresa, porque consegue “armazenar a energia eólica quando está mais barata, à noite, por exemplo, e vendê-la de dia quando está mais cara”.

Depois deste primeiro projeto-piloto na Roménia, com capacidade para armazenar no máximo até 1 MW, o próximo passo está do outro lado do Atlântico, nos Estados Unidos, onde a EDP tem 5500 MW de potência instalada e onde estima que exista um potencial de projetos de armazenamento de energia renovável num total de 7000 MW nos próximos 3 a 5 anos. A oportunidade está lá e a EDP quer uma fatia do bolo. “O mercado americano é enorme e teremos obviamente uma pequena parte. Mas uma pequena parte de 7000 MW é sempre relevante”.

A garantia está dada: “Os nossos projetos nos EUA no princípio da próxima década já terão soluções de baterias de lítio. Estamos já a concorrer a projetos que exigem baterias e isso vai fazer parte do bolo de investimentos que temos previsto para os EUA nos próximos anos”, diz Duarte Bello, sublinhando que “do ponto de vista comercial, é expectável que no curto prazo haja um maior crescimento nos EUA”.

Em Portugal, a EDR Renováveis está a construir 100 MW de energia eólica mas o país não está para já nos planos da empresa em termos de investimento em baterias de lítio para armazenar energia renovável e a principal razão prende-se com a ausência de regulação, por parte da ERSE e do governo, para o desenvolvimento deste tipo de projetos.

“Não temos planos de curto prazo para Portugal nem para nenhum outro país europeu. Regra geral, todos os países têm problemas de regulação porque quando foi feita as baterias ainda não existiam. Na Roménia fomos pioneiros em arranjar uma solução regulatória com as autoridades locais e temos de fazer esse caminho em todos os países”, explicou o responsável. Mas deixou o aviso: “Para isto ser mais do que um projeto-piloto tem de haver condições no mercado para ser economicamente viável”.

Quanto à Europa, no seu todo, a empresa prevê até 2030 um crescimento de 20% ao ano. “Significa que em 12 anos teremos 10 vezes mais capacidade de armazenamento face aos dias de hoje”, refere. Este crescimento acontecerá sobretudo pela redução do custo das baterias de lítio, “que deverão baixar de preço em 8% a 10% por ano. Em 10 anos o custo das mesmas baterias será 10 vezes menos do que é hoje”. Baixam os custos, aumentam os investimentos: “É crucial para as empresas que estão a apostar nisto. Esta perspetiva de redução de custos torna tudo economicamente mais viável para os players nas renováveis”.

O objetivo agora é escalar o negócio e por isso na Roménia, onde o vento não escasseia, o Projeto Stocare está já a servir de montra para a EDP Renováveis cativar clientes em outras geografias, tendo o parque eólico de Cobadin sido visitado este ano por espanhóis e norte-americanos.

No terreno são 13 turbinas com 26 MW de potência eólica instalada, sendo que desse total 1 MW pode ser encaminhado diretamente para armazenamento nas 420 baterias de lítio (que demoram apenas uma hora a carregar) cuidadosamente empilhadas em dois contentores brancos, instalados em plena planície rural romena e guardados por arame farpado e um circuito de videovigilância. E não é para menos: ali mora a mais recente joia da coroa da EDP Renováveis.

“Não estamos a investir em novos parques na Roménia, porque precisamos de uma visão clara em termos de regulação. Estamos sim a melhorar os ativos que temos no país e esta é a forma mais eficiente de crescer”, disse Duarte Bello, revelando que está na calha um segundo projeto de armazenamento de energia no país, desta vez inserido num parque solar.

Doina Ilisiu, responsável da Transelectrica (equivalente à REN portuguesa), confirmou a abertura do país em termos regulatórios e revelou que a EDP Renováveis não foi a única a querer testar baterias e lítio em território romeno. No entanto, “foi a única empresa que concluiu e pôs o projeto a funcionar”, depois de muitas outras terem desistido.

IN: Dinheiro Vivo (30 setembro 2018)

FreshJoomlaTemplates.com
Saturday the 15th. TESTE