Destaques

Dependência de Portugal da energia comprada lá fora atinge 2º melhor valor da década

Portugal reduziu a sua dependência do exterior com uma queda da importação de vários produtos energéticos. Gás natural, com mais importações, foi exceção.

O índice de dependência energética de Portugal, que avalia a exposição do país ao exterior para o cumprimento das necessidades de consumo de energia, baixou no ano passado, passando de 78,3% em 2015 para 74,8%, segundo dados da Direção-Geral de Energia e Geologia (DGEG).

O nível registado no ano passado é o segundo mais baixo da última década, apenas batido pelos 73,7% de 2014. Este indicador tem vindo a baixar nos últimos anos, refletindo a aposta de Portugal em fontes endógenas, de que são exemplo a energia eólica e a hidroelétrica. Por outro lado, em resultado da crise económica, o país sofreu uma retração nos consumos energéticos. Além disso, o reforço da capacidade exportadora das refinarias da Galp em Sines e Matosinhos também contribuiu para a melhoria do saldo energético nacional.

Em 2007, a dependência energética portuguesa situava-se em 83,9%, segundo os dados publicados pela DGEG. A descida de 2016, de acordo com a mesma fonte, foi “fortemente influenciada” pela menor utilização de carvão para a produção de eletricidade, devido à abundante produção das barragens.

O mais recente balanço energético da DGEG, publicado este mês, indica que em 2016 o consumo de energia primária em Portugal (o somatório das fontes e recursos usados em bruto ou para serem transformados noutras formas de energia) recuou 1,2%, espelhando principalmente a queda de 13% no consumo de carvão. No entanto, a energia final (que agrega os volumes registados pelos consumidores finais, como os produtos petrolíferos, a eletricidade, entre outros) cresceu 1%.

O consumo de energia final em Portugal apresentou seis anos consecutivos de redução, entre 2008 e 2013, estabilizando em 2014 e crescendo 1,2% em 2015. O consumo de energia primária teve um comportamento semelhante, caindo entre 2008 e 2014, e crescendo 5,4% em 2015.

Os dados da DGEG mostram que em 2016 Portugal importou em diversas fontes de energia 25,38 milhões de toneladas equivalentes de petróleo (TEP), dos quais 17,34 milhões de TEP foram petróleo, 4,3 milhões de TEP foram gás natural e 3 milhões de TEP foram carvão. Houve ainda importações, mas residuais, de eletricidade e biomassa.

Tanto o carvão como o petróleo observaram em 2016 reduções no volume importado por Portugal. Sinal contrário teve a importação de gás natural, que cresceu no ano passado, numa tendência associada, em larga medida, ao uso deste combustível para produção de eletricidade.

As exportações energéticas nacionais no ano passado ascenderam a 9,5 milhões de TEP, concentradas nos produtos petrolíferos (7,96 milhões de TEP) e com contributos mais reduzidos da eletricidade (834 mil TEP), biomassa (344 mil TEP), entre outras.

Consumo de gás em alta em 2017

Já em 2017, os dados provisórios de consumo relativos a março indicam que Portugal mantém uma tendência de crescimento da procura de energia. No que respeita aos combustíveis fósseis, o consumo no ano-móvel terminado em março (isto é, o período de abril de 2016 a março de 2017) foi 3% superior ao registado um ano antes.

Esta subida foi motivada essencialmente pelo crescimento de 15,2% no consumo de gás natural (impulsionado pela maior procura das centrais de ciclo combinado alimentadas a gás, para produzir eletricidade), que mais do que compensou as descidas de 1,4% no consumo de produtos petrolíferos e de 2,7% na procura de carvão.

As estatísticas provisórias da DGEG até março deste ano revelam, por outro lado, que a produção de eletricidade a partir de fontes renováveis seguia em queda de 11,1% face ao ano passado, o que é atribuível principalmente a uma descida acentuada, de 20,4%, na produção hidroelétrica.

IN: Motor 24 (30 junho 2017)

FreshJoomlaTemplates.com
Tuesday the 26th. TESTE